19.12.16

[Entrevista] Roseli Magro

 Há tempos vinha desejando entrevistar autores pois é uma ferramenta muito válida para os conhecer. Então, por intermédio do Pablo Madeira, apresento a vocês a nossa primeira autora entrevistada: Roseli Magro. 💖🎉
SOBRE A AUTORA:
 Roseli Magro nasceu numa manhã junina em 1961, numa família numerosa, de irmãos contadores de histórias, de boa índole, onde formou seu caráter. É professora de Língua Portuguesa e Literatura há 25 anos. Mora em São Paulo desde que nasceu. É extremamente feliz por ser mãe de dois maravilhosos filhos, Arley França (autor de A Guerra dos Anjos) e André Rodrigues (empreendedor ímpar). Sempre gostou de ler e lia desde a adolescência para sua querida sobrinha, Aline. Desde que aprendeu a escrever, inventava histórias. Não tinha como ser diferente, pois sendo filha de Beatriz Gimenes Magro, um anjo encantado, que lhe fantasiava a cabeça com muitas histórias, com o tempo, a sua mente foi criando inúmeras narrativas. Os gêneros literários foram se diversificando para poemas, crônicas e contos. Até que nasceu Brilho do Sol, numa manhã de domingo, quando os anjos sopraram em seus ouvidos a história de João.

ENTREVISTA

Primeiramente, parabéns por encontrar uma casa para ter o seu filhote publicado e que o lançamento dele seja um sucesso. Agora me responda: foi difícil encontrar uma editora que topasse publicar sua obra?
R.M.: Muito obrigada! Eu estou muito feliz por ter sido direcionada a essa editora e por ter encontrado pessoas tão maravilhosas e com tanto profissionalismo. Deus sabe o que faz. Agora, respondendo à sua pergunta, foi por intermédio do meu filho Arley que consegui encontrar a Xeque-Matte. Ele já mantinha contato com a editora , com o objetivo de publicar seu livro. Então encaminhou o “Brilho do Sol”, para que fosse lido. Assim, a obra foi aceita e desenvolveu-se todo o processo de publicação.

Brilho do Sol é o seu primeiro escrito?
R.M.: Possuo muitas coisas escritas, desde crônicas, poemas, contos, mas nunca os publiquei em livros.

Como se deu o processo de escolha do título da obra? Teve inspiração em algum poema ou simplesmente brotou?
R.M.: O título da obra “Brilho do Sol” é o nome da cidadezinha onde acontece a história de João. Como é Nordeste e quente, então pensei em Brilho do Sol. Nasceu assim.

Quais os seus gêneros literários favoritos?
R.M.: Sempre gostei de ler romances de suspense. Gosto de literatura que me prende. Engraçado, nunca fui fã de literatura fantástica e passei a amar por causa do Arley, porque é literatura boa. Então, a partir daí, passei a ser eclética e que venha literatura boa, que estou lendo.

A falta de água, desemprego e miséria são, infelizmente, equações constantes na vida de quem mora no Nordeste, especialmente os habitantes do Sertão. Como você vê a questão? Sua obra vem para denunciar esses males?
R.M.: Eu choro de tristeza de ver tantos sertanejos morrendo de fome e olha que são milhões. Li numa reportagem, ontem, que a mãe sertaneja alimentou seu filho com sopa de papelão. Fico com a imagem do menino comendo papelão, enquanto outros enchem seus bolsos de dinheiro que deveria estar matando a fome desse menino. Isso me dá nojo.
Embora eu reconheça que há necessidade de denunciar esses males, o objetivo da minha obra não é esse, mas de esperança. É mostrar ao sertanejo que há uma luz no fim do túnel. Que embora haja dor, fome, tristeza, também há amor como estrutura para a felicidade. Podem tentar tirar tudo do ser humano, mas a sua fé numa vida melhor, ninguém vai tirar.

João é inspirado em alguém quem você conheceu?
R.M.: Não me inspirei em alguém especial, mas em todos os meninos do sertão que passam tanta dificuldade.

Lendo um trecho da sua obra, senti um lirismo que é difícil ser utilizado positivamente na nossa literatura atual. Você teve dificuldade na construção das cenas que apresentam tal poesia?
R.M.: Agora, você tocou meu ponto fraco, minha paixão. A poesia está presente em minha vida desde sempre. Acredito que desde que abri meus olhos para este mundão de meu Deus, penso em poesia. Gosto tanto que acaba acontecendo com facilidade, pois quando se faz o que se gosta, torna-se fácil, natural.

Sobre o Arley França: Como é ter um filho autor? Há planos para uma publicação conjunta?
R.M.: A literatura é a minha vida, sempre foi. Quando ele resolveu escrever um livro, nem acreditei. Falei para mim mesma “Como assim?” Mas como ele sempre foi muito artista, de todas as formas, pensei que só poderia sair coisa boa dali e realmente eu estava certa. Nunca falamos sobre publicação conjunta. Quem sabe!

A história do pequeno João entra em qual gênero literário? :D
R.M.: É um romance regionalista, pois apresenta a questão social sobre a fome do Nordeste, com um linguajar típico.

Como é a sensação de ser a primeira autora contratada numa editora que está abrindo as portas agora no mercado editorial brasileiro? Está feliz em fazer parte dessa família?
R.M.: Estou muito feliz por ser a primeira autora contratada da Editora Xeque-Matte. Eu já esperava uma assistência ímpar, pois meu filho já havia me preparado, mas me surpreendo a todo momento com a dedicação desses profissionais. Meu coração dá pulos quando eles postam algo que não espero ou quando me carregam no colo quando preciso. Deus me colocou no caminho certo.

SINOPSE: Brilho do Sol é o nome de uma cidadezinha nordestina onde acontece a história de João, um menino de oito anos, que mudou a história do sertão de tal forma que nunca mais esse lugar voltará a ser o mesmo. No livro a fome existe, é fato, e ela dói, mas é fato também que o amor existe e ele é a estrutura para a felicidade. O amor ou a falta dele se materializam no bem contra o mal, uma constante luta durante toda a narrativa. Qual vencerá?
 A Roseli está lançando o seu primeiro livro através da editora Xeque-Matte com pré-venda marcada para amanhã, dia 20/12. Brilho do Sol é a obra de lançamento da editora no mercado então as minhas expectativas para esse livro são altas demais!!!
 Não perca a chance e garanta já o seu! [post será atualizado o quanto antes contendo o link para compra em pré-venda]
 E para finalizar o post gostaria de agradecer imensamente a Roseli por se dispor em responder tão prontamente e gentilmente as minhas perguntas nervosas de tripulante de primeira viagem no mundo das entrevistas. Te desejo todo o sucesso que se possa ter na sua jornada como autora e muita paz na sua vida pessoal. ❤
 Também gostaria de agradecer o autor Pablo Madeira que topou ser o intermediário desse meu contato acanhado com a Roseli e por me apresentar a obra da autora.
 E sucesso total nesse mercado brasileira, editora Xeque-Matte!!!

 Então, o que vocês acharam? Muito amador as perguntas para uma primeira entrevista? A opinião de vocês é muito importante!
 Até mais.🌙

LEIA OUTROS POSTS:

7 comentários:

  1. Olá Bruno!
    Q bacana essa entrevista. Ainda não conhecia a autora e é muito bom saber que autores nacionais estão se destacando cada vez mais. Desejo muito e muito mais sucesso para a Roseli!
    Adorei a sinopse do livro e foi uma boa dica! Anotado.
    Bjo

    ResponderExcluir
  2. Bruno muito baacana da sua parte fazer uma entrevista com essa autora, pois eu tenho tanta vontade de ler o livro dela e achei ela uma fofa e querida, muito sucesso a Roseli <3
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  3. Olá, não conhecia a autora e sua obra, por isso que adoro entrevistas :)

    Adorei as perguntas que você elaborou, parabéns! Desejo muito sucesso para a Roseli, e espero poder ler sua obra.

    Abraços

    ResponderExcluir
  4. Olá !!! Que interessante essa entrevista. Ainda não conhecia a autora. Também gosto muito de entrevistar os autores dos livros no meu blog, assim conhecemos mais sobre seu trabalho, suas ideias e projetos. Muito sucesso com o blog em 2017, bjo

    http://blogaventuraliteraria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Oi..
    Concordo com você: as entrevistas são ferramentas ímpar para conhecer melhor um autor e até mesmo conhecer melhor suas obras; Gostei muito de conhecer a Roseli, uma autora que eu ainda não conhecia, e ainda mais de conhecer sua obra "O Brilho do Sol", que ao que parece é uma obra totalmente regionalista, o que eu gosto muito. Eu tbm tenho um blog e lá estou com uma coluna mensal chamada #euapoioaliteraturanacional onde eu compartilho sobre algum autor nacional que vale a pena ser lido. A Roseli é um forte candidata para participar dessa coluna.. rsrs Mal posso esperar para você compartilhar o link onde poderemos adquirir o livro.
    Que 2017 te traga parcerias e leituras incríveis!
    Bjoo

    ResponderExcluir
  6. Oi Bruno,tudo bem?
    Gostei muito de suas perguntas e a autora me pareceu sincera em sua respostas e muito simpática também... achei a capa do livro muito linda... ela já precede esperança aos olhos... entendo perfeitamente sobre o sofrimento de tantos sertanejos no nordeste, morei quase 20 anos lá... passei por poucas e boas e presenciei coisas absurdas... infelizmente eles vivem em uma precariedade de dá dó e o pior é se sentir impotente de não pode abraçar todos e cuidar deles, como esse governo porcaria deveria fazer... enfim... fiquei bem curiosa com a premissa da história, espero que você curta a leitura... Xero!

    ResponderExcluir
  7. Olá =) Realmente entrevistar o autor é uma boa maneira de conhece-ló melhor. Gostei do nome do livro, e a escolha de como a autora escolheu levando em conta o clima quente do Nordeste foi boa. Que bom que a autora é eclética em sua leitura. Não imaginava que o livro é um romance regionalista, bom saber. A entrevista foi muito boa, as perguntas bem elaborada e gostei de saber das respostar. Beijos'

    ResponderExcluir

Muito obrigado pelo seu comentário, sua opinião é muito importante para deixar o blog na ativa! :D
Não precisa deixar o link do seu blog, caso tenha, pois farei questão de retribuir a visita.
Boa leitura!